mallard couple

Dimorfismo sexual em aves

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Esses aí em cima são mallards (Anas platyrhynchos), uma espécie de pato que é encontrada em grande parte do hemisfério norte. O macho (de cabeça escura e bico amarelo) é tão diferente da fêmea que eles já foram classificados como duas espécies separadas. O dimorfismo sexual, ou seja, quando é possível diferenciar macho e fêmea pela aparência externa, é muito comum em patos (família Anatidae), assim como em papa-capins (família Emberizidae), beija-flores (família Trochilidae) e muitas outras aves.

Às vezes o dimorfismo sexual está relacionado ao tamanho. Os machos podem ser maiores que as fêmeas, mas o inverso também acontece. Em algumas aves de rapina, as fêmeas podem ser até duas vezes maiores que os machos. Mas as diferenças mais surpreendentes costumam estar relacionadas às cores da plumagem e à presença de “acessórios”. No reino animal, ao contrário do que ocorre com a espécie humana, geralmente quem se enfeita mais é o macho. O pavão (Pavo cristatus), ave nativa da Índia, é um exemplo clássico.

Entre as aves que apresentam dimorfismo sexual, as fêmeas geralmente são pardas, em tons de marrom e bege, em alguns casos são verdes.  Como exemplo temos a fêmea do tiziu (Volatina jacarina). Quando as fêmeas são coloridas, frequentemente suas plumagem é mais “desbotada” em relação a do macho, como na saíra-amarela (Tangara cayana).  Dessa forma elas ficam menos visíveis para os predadores.

tiziu macho e femea

Tiziu (Volatinia jacarina)

saíra macho e femea

Saíra-amarela (Tangara cayana)

A camuflagem é tão importante para evitar predadores que os filhotes também costumam apresentar cores bem discretas. Jovens machos muitas vezes são indistinguíveis das fêmeas. Depois, com o tempo, a plumagem vai mudando. Os estágios intermediários são muito interessantes, uma mescla da plumagem definitiva com o que resta da plumagem juvenil. O tiziu é um belo exemplo.

tiziu jovem

Jovem macho de tiziu (Volatinia jacarina)

Nem sempre o dimorfismo sexual é tão evidente. Muitas espécies apresentam variações bem mais discretas, que requerem mais atenção do observador. A diferença entre machos e fêmeas de chopim (Molothrus bonariensis) é bastante sutil: o macho é preto-azulado, a fêmea é marrom-escuro. Dependendo das condições de luz pode ser difícil notar a diferença nos tons.

Em muitos pica-paus (família Picidae) a diferença pode ser apenas uma faixa vermelha nas laterais da cabeça, próxima à base do bico, presente nos machos e ausente nas fêmeas. Na ariramba-de-cauda-ruiva (Galbula ruficauda, família Galbulidae) é somente a cor da garganta que muda: branquinha nos machos e ferrugínea nas fêmeas.

chopim macho e femea

Chopim (Molothrus bonariensis) – dois machos e, à direita, uma fêmea

Na tesourinha (Tyrannus savana) o dimorfismo sexual é notado no comprimento da cauda, mais comprida nos machos adultos.  A tesourinha pertence à família Tyrannidae, família com grande número de espécies, entre elas o bem-te-vi, os suiriris e os guaracavas. Nesta família o dimorfismo sexual não é muito comum. Outra família que raramente apresenta dimorfismo sexual é a dos psitacídeos (araras, papagaios e periquitos). O tuim (Forpus xanthopterygius) é uma exceção. É bem fácil observar uma mancha azul nas asas dos machos, totalmente ausente nas fêmeas.

ariramba macho e femea

Ariramba-de-cauda-ruiva (Galbula ruficauda)

tuim macho e femea

Tuim (Forpus xanthopterygius)

Um caso muito interessante de dimorfismo sexual é o pardal (Passer domesticus). A diferença de coloração entre machos e fêmeas não é tão grande, mas o macho apresenta uma mancha preta na garganta, que pode ir até o peito. O tamanho desta mancha é variável, e as fêmeas “preferem” os machos com manchas maiores. Já falei deste caso aqui no blog mas, resumidamente, isso acaba criando uma hierarquia entre os machos e aqueles com maiores manchas “mandam” nos demais.

pardal macho e femea

Pardal (Passer domesticus)

Afinal, por que os machos de algumas espécies de aves são tão chamativos? Por que assumem tantos riscos de serem avistados pelos predadores? Nas aves, uma plumagem com cores mais nítidas e brilhantes é reflexo de um bom estado de saúde, característica que as fêmeas buscam em seus parceiros. Além disso, carregar uma longa cauda ou outro acessório por aí não é nada fácil, e os machos que realizam este feito provam que são mais aptos. O fato é que, ao longo de muitas gerações, as fêmeas preferiram machos mais vistosos. Este é um exemplo de seleção sexual, assunto complexo que pretendo abordar em um futuro post. Até a próxima!