Redução de tamanho no maçarico-de-papo-vermelho

Estas aves estão encolhendo por causa das mudanças climáticas

O maçarico-de-papo-vermelho (Calidris canutus) é uma espécie encontrada em todo o planeta. Ave migratória, percorre distâncias continentais todos os anos. Cada subespécie (existem seis) utiliza uma rota de migração diferente. Esta semana foi publicado um estudo realizado com a subespécie que migra entre a região norte da Rússia (onde se reproduz) e a costa oeste da África. Os resultados são preocupantes.

A neve está derretendo antes do previsto nas áreas de nidificação do maçarico-de-papo-vermelho. Cerca de duas semanas antes, em comparação com dados de 30 anos atrás. A diferença parece pequena, mas é suficiente para os filhotes de maçarico nascerem na época errada e perderem o período com maior quantidade de insetos, sua principal fonte de alimento. Como resultado os maçaricos não estão alcançando o tamanho adulto que alcançavam há três décadas. Seus bicos também estão menores.

Com a chegada do inverno na Rússia, os maçaricos voam para a África. Chegando lá os jovens maçaricos que não conseguiram atingir o tamanho ideal ficam em desvantagem. No litoral da África o alimento mais importante da dieta destas aves são mexilhões, que ficam enterrados no fundo da areia/lama. Apenas os maçaricos com bicos longos conseguem alcançá-los.

Calidris canutus canutus

Maçarico-de-papo-vermelho (Calidris canutus canutus) se alimentado. Foto: Jan van de Kam

Muitos dos maçaricos mais nanicos, com bicos curtos, não sobrevivem. Esta é uma das prováveis causas do declínio nas populações de maçarico-de-papo-vermelho que tem sido observado nos últimos anos. Além disso, os pesquisadores preveem mudanças no formato do corpo dos maçaricos, devido às novas pressões de seleção. Na capa do post, a ave à esquerda representa um maçarico nos dias de hoje. A ave à direita é uma projeção de como serão os futuros maçaricos-de-papo-vermelho: menores e com bicos relativamente longos.

O estudo foi realizado por uma equipe internacional de pesquisadores e os resultados foram publicados na Science na última sexta-feira. Não é a primeira vez que o aquecimento global é apontado como causa para a redução do tamanho corporal de animais. Este fenômeno tem sido observado em um número cada vez maior de espécies.

 

Referências

Gardner, J.L., Peters, A, Kearney, M.R., Joseph, L., Heinsohn, R. (2011) Declining body size: A third universal response to warming? Trends in Ecology and Evolution, vol. 26, no. 6, pp. 285-291.

Royal Netherlands Institute for Sea Research. Shrinking shorebird pays the bill for rapid Arctic warming while wintering in the tropics (Press Release, 12/05/16)

van Gils, J.A., Lisovski, S., Lok, T., Meissner, W., Ożarowska, A., de Fouw, J., Rakhimberdiev, E., Soloviev, M.Y., Piersma, T. & M. Klaassen (2016). Body shrinkage due to Arctic warming reduces red knot fitness in tropical wintering range. Science 352 (6287).

Crédito da foto (capa do post): Jan van Gils, NIOZ