Catirumbava na Trilha dos Tucanos - Tapiraí (SP)

Passarinhando na Trilha dos Tucanos (Tapiraí – SP)

A Trilha dos Tucanos é uma propriedade particular localizada na serra de Paranapiacaba, em Tapiraí (SP). De fácil acesso, é uma excelente opção para passar o dia ou mesmo prolongar a estadia, pernoitando em um dos chalés. Mas é bom reservar antes, o lugar é muito procurado, principalmente por observadores de aves!

Não é para menos: cerca de 80% do território de Tapiraí é coberto por Mata Atlântica. De carro, na estrada, percebemos a mudança radical na paisagem quando entramos no município. Muito verde, muita sombra. Quando passamos por Sorocaba fazia mais de 30 graus, e em Tapiraí encontramos um clima agradável e uma noite muito fresca. Um alívio depois de uma das semanas mais quentes do ano no estado de São Paulo.

Chegamos no fim da tarde e logo o tempo fechou e começou a trovejar. Conhecemos rapidamente uma das trilhas, mas como estava escuro dentro da mata, preferimos encerrar o dia observando as aves que fervilhavam nos comedouros ao redor da pousada. O vídeo abaixo mostra um deles. O ângulo não é dos melhores, mas dá para ver a variedade que espécies que apareceram em menos de 3 minutos de gravação:

Nos comedouros vimos saíra-sete-cores, sanhaçu-de-encontro-amarelo, tiê-preto, sanhaçu-de-encontro-azul, periquito-rico, tiriba-de-testa-vermelha, pimentão, trinca-ferro, catirumbava, tico-tico-do-mato, tico-tico, sabiá-laranjeira, sanhaçu-do-coqueiro, e provavelmente outros que estou esquecendo.

Periquito-rico na Trilha dos Tucanos - Tapiraí

Periquito-rico (Brotogeris tirica)

Sanhaçu-de-encontro-amarelo na Trilha do Tucanos - Tapiraí

Sanhaçu-de-encontro-amarelo (Tangara ornata)

Saíra-sete-cores na Trilha dos Tucanos - Tapiraí

Saíra-sete-cores (Tangara seledon)

No dia seguinte acordamos cedo e fizemos uma boa caminhada pelas trilhas. Como é de se esperar em um ambiente fechado como a Mata Atlântica, a maioria dos contatos foi auditivo. O primeiro que reconheci foi o inhambuguaçu. Depois o saci e o corocochó.

Ao longo da trilha a espécie mais fácil de observar (embora não de fotografar) é o pula-pula-ribeirinho. Haviam muitos casais, bastante ativos e sempre próximos dos riachos. Outra espécie muito comum por lá é o arapaçu-verde, que vocaliza bastante e está sempre agitado, procurando insetos no tronco das árvores. Mais fácil de ver é arapaçu-grande, principalmente na borda da mata, próximo às clareiras.

Pula-pula-ribeirinho na Trilha dos Tucanos - Tapiraí

Pula-pula-ribeirinho (Myiothlypis rivularis)

Arapaçu-grande na Trilha dos Tucanos - Tapiraí

Arapaçu-grande (Dendrocolaptes platyrostris)

Ao longo da trilha vimos também um bando de saíras-viúvas, um casal de caneleiros-de-chapéu-preto, peiticas, chupa-dente, pichororé, saracura-do-mato, tiê-de-topete, gavião-tesoura… Então começou a chover e decidimos parar um pouco. Na volta, bem onde nos foi indicado, encontramos a simpática maria-leque-do-sudeste e seu ninho. Esta espécie é endêmica e, infelizmente, está ameaçada.

Pichororé na Trilha dos Tucanos - Tapiraí

Pichororé (Synallaxis ruficapilla)

Com o tempinho chuvoso optamos por fechar nosso passeio observando os comedouros, novamente. Desta vez aproveitei que havia mais luz que no dia anterior e fotografei alguns dos vários beija-flores que disputavam os bebedouros. O beija-flor-rubi dominava o pedaço e tentava impedir os outros de chegar perto. Mas são tantos bebedouros que ele não conseguia. Vimos o balança-rabo-de-garganta-rajada, o beija-flor-de-fronte-violeta, o beija-flor-preto, o beija-flor-de-veste-preta e o beija-flor-de-papo-branco.

Beija-flor-rubi na Trilha dos Tucanos - Tapiraí

Beija-for-rubi (Clytolaema rubricauda), macho.

Beija-flor-de-papo-branco na Trilha dos Tucanos - Tapiraí

Beija-flor-de-papo-branco (Leucochloris albicollis)

Beija-flor-de-veste-preta na Trilha dos Tucanos - Tapiraí

Beija-flor-de-veste-preta (Anthracothorax nigricollis), fêmea.

Apesar do nome – trilha dos tucanos – não esbarramos com nenhum, então escolhi a catirumbava para ilustrar esse post. A catirumbava é uma ave endêmica do Brasil, o que significa que ela só pode ser encontrada aqui, mais precisamente nas montanhas cobertas pela Mata Atlântica, do Rio de Janeiro à Santa Catarina.

Esse foi um dos melhores passeios para observar aves que já fiz. A variedade de espécies é enorme, as trilhas são limpas e bem conservadas. Um verdadeiro paraíso, relativamente próximo de São Paulo (capital). Fomos super bem recebidos pelos proprietários, um casal gente boa que adora bater papo e, é claro, falar de passarinhos! Recomendo muito a visita!