crianças observando com binóculos

Para educadores: 15 minutos com as aves

Li o texto a seguir no site do BirdSleuth K-12, um projeto de educação e ciência cidadã do Laboratório de Ornitologia de Cornell, nos Estados Unidos. O projeto desenvolve atividades curriculares para crianças, motivando a observação de aves e o ensino de ciências. O texto é muito bacana e acredito que pode servir de inspiração para professores do ensino fundamental e médio no Brasil. Por isso pedi permissão para traduzi-lo aqui.

Como a realidade brasileira é bastante diferente da americana, diferindo tanto nas espécies de aves encontradas quanto nos recursos didáticos disponíveis, traduzi o texto ao pé da letra mas fiz algumas observações. Quem quiser ler o artigo original, é este aqui: 15 minuts with birds.

barra-cinza

15 minutos com as aves

Quando estudantes passam pelo menos 15 minutos por semana com as aves, isso pode melhorar tanto o seu interesse pelo meio ambiente local quanto sua capacidade de pensar cientificamente (fazendo observações e previsões, questionando, chegando a conclusões, revisando sua previsão com base em evidências, e partilhando os resultados). Aqui estão cinco maneiras fáceis para educadores e alunos passarem 15 minutos com as aves:

1. Observe aves

A observação de aves (“birdwatching”) é uma ótima maneira para iniciantes começarem a se tornar conscientes das aves. As aves são uma excelente forma de se conectar com o meio ambiente porque elas literalmente pode ser encontradas em qualquer lugar, durante o ano todo. Para observar aves, basta reunir o equipamento básico – um caderno de anotações, um guia de campo, binóculos, se os tiver – e sair ao ar livre. O local escolhido pode ser um quintal, a escola, trilhas, um parque em sua cidade. Para garantir mais diversão, incentive as crianças a observar e registrar o que elas vêem em diversos ambientes e fazer comparações. Se possível, instale nosso aplicativo Merlin Bird ID* em seu smartphone ou tablet e leve-o com você para ajudar a identificar as aves misteriosas que encontrarem. Se os alunos observarem e anotarem quais e quantas aves eles encontraram, estes registros podem ser enviados ao eBird*, um banco de dados mundial para observadores de aves. Estes dados são uma importante contribuição e podem ser utilizados por cientistas de verdade. Usar o eBird em grupos é um recurso gratuito fantástico disponibilizado pelo BirdSleuth para apoiar o uso do eBird pelos jovens. Considere levar seu grupo de alunos para observar aves algumas vezes a cada mês de modo que eles possam observar e registrar as mudanças sazonais percebidas.

* Nota da passarinhóloga: O Merlin é um aplicativo fantástico para identificar aves, mas infelizmente está restrito às espécies que ocorrem na América do Norte. Ainda não temos nada parecido para identificar aves brasileiras. Mas o aplicativo Aves do Brasil, da Nova Escola, é um bom ponto de partida.

2. Siga uma ave

Depois de observar várias aves de modo informal, os alunos podem começar a escolher suas favoritas. Este é um momento perfeito para convidá-los a seguir uma ave em particular e observar seu comportamento. Observe a ave escolhida de perto: como ela é; como canta; o que faz; ela interage com outras aves? Peça que façam um desenho simples e descrevam a ave. Isso dará aos alunos grande experiência prática sobre como fazer observações sistemáticas e permite que cada um se torne um especialista sobre a espécie que escolheu. Logo, os alunos serão capazes de ajudar uns aos outros a identificar as aves no campo.  Você vai ouvir: “Eu conheço aquele ali! É o meu pássaro!”

3. Escute as aves

Em um dia de chuva imprevisto, ouvir cantos de aves ou assistir aos vídeos da Macaulay Library* são ótimas maneiras de manter uma conexão com as aves. Enquanto escuta os cantos, imagine as mensagens que a ave está transmitindo a outros membros de sua espécie. Além disso, não deixe de conhecer o Bird Song Hero, um novo recurso interativo do All About Bird Biology, que proporciona um aprendizado visual do canto das aves.

Atividade extra: Saia ao ar livre e deixe que as crianças se dispersem em uma área ampla ou ao longo de uma trilha. Elas devem passar 10 minutos em silêncio, ouvindo atentamente todos os sons ao seu redor. Seus alunos vão se surpreender quando seus ouvidos começaram a “acordar”! Solicite que eles desenhem um “mapa do som”, representando os sons escutados de uma maneira que faça sentido para eles. Quais sons são naturais? – Quais são produzidos pelo homem? Peça-lhes que compartilhem o que ouviram uns com os outros.

* Nota da passarinhóloga: A Macaulay Library é muito legal, mas está em inglês. Uma excelente alternativa para buscar fotos, áudio e informações é o Wikiaves, uma enciclopédia colaborativa sobre aves do Brasil. O jogo Bird Song Hero é ótimo mas, novamente, contempla apenas aves da América do Norte. Ainda não existe um recurso online como este para as aves brasileiras. Quem está em São Paulo pode visitar o museu Catavento, que tem em sua exposição um jogo parecido, somente com aves do Brasil. 

4. Alimente as aves

Basta instalar alguns comedouros e observar os pássaros que aparecem, especialmente durante o inverno! É fácil fazer comedouros para aves a partir de materiais reciclados. Convidamos você a baixar o nosso recurso Feathered Friends* (nove aulas disponíveis para download gratuito; contém esquemas para a construção de comedouros). Para avançar ainda mais, nós te convidamos a participar no projeto FeederWatch* – um projeto de ciência cidadã para ser realizado ao longo do inverno – cujo foco são as aves que visitam comedouros na América do Norte. Disponibilizamos aos professores um documento de oito páginas, o Homeschooler’s Guide to Project FeederWatch* (download gratuito)! O Laboratório de Ornitologia de Cornell e a Pennington Wild Birds ®  estão trabalhando juntos para tornar a alimentação de aves em seu habitat natural ainda mais fácil, através da oferta de um comedouro gratuito,  na compra de um kit de nossa loja online!

* Nota da passarinhóloga: Os projetos de ciência cidadã citados são voltados apenas para o público norte americano. O material para download é bacana, mas está em inglês e tem como referência as aves de lá. Mas construir comedouros não envolve nenhum grande mistério. Frutas atraem uma grande variedade de aves. Bebedouros para beija-flores também são uma ótima alternativa. Veja neste link como construir um com garrafa PET.

5. Acompanhe ninhegos (filhotes) através de câmeras

Quem não adora um filhote? Embora poucos de nós temos a oportunidade de observar filhotes em seus ninhos, graças ao Bird Cams* você pode fazer isso através do seu computador! Dependendo da época do ano, há várias câmeras disponíveis para escolher: suindaras no Texas, quiriquiris em Idaho, águias-pescadoras em Montana, e gaviões-de-cauda-vermelha em Ithaca, só para citar alguns. No site do Bird Cams estudantes podem assistir vídeos emocionantes e informativos que estão arquivados e aprender sobre o comportamento das aves como se estivessem realmente ali no ninho! Além do mais, o plano de aula gratuito Explore Life Cycles Through Nestling Birds vai ajudar a envolver os alunos na aprendizagem de ciências, aplicando a genuína observação científica.

* Nota da passarinhóloga: Com exceção do gavião-de-cauda-vermelha, todas as outras espécies citadas são encontradas no Brasil. Existem outras opções, como o site ornithos.com.br, que tem câmeras instaladas em Morretes (PR), Ubatuba (SP) e Nova Friburgo (RJ) .

Ao passar 15 minutos observando e aprendendo sobre aves, você estará construindo uma conexão entre seus alunos e o mundo natural, assim como incentivará o uso de importantes habilidades do pensamento científico. Veja como seus alunos progridem de iniciantes à experientes observadores de aves!

Crédito da foto: Children watch with binoculars public domain image picture