flamingo

Galápagos #2 – Ilha Isabela

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

 

Isabela é a maior ilha de Galápagos. No entanto, apenas uma pequena parte desta ilha está aberta para visitação. Os turistas se concentram em Puerto Villamil, onde há várias opções de hospedagem e restaurantes. A cidade é pequena e dá para chegar aos principais pontos de interesse a pé: a praia, a baía Concha y Perla, o centro de criação de tartaguras-gigantes e uma série de belas lagoas ou “pozas”.

As lagoas, muito rasas, são habitat ideal para os flamingos, que encontramos em grande número. Eles se alimentam de algas, insetos, pequenos crustáceos e moluscos presentes na água, que é filtrada com o bico extremamente adaptado para esta função.

Flamingo | American Flamingo (Anas bahamensis)

O acesso às lagoas é muito fácil, feito através de passagens elevadas sobre a água e entre o mangue. Dá para chegar bem perto dos animais, sem importuná-los muito. Além dos flamingos observamos também outras aves aquáticas: maçarico-de-bico-torto, frango-d’água, mergulhão-caçador, marreca-toicinho (com muitos filhotes), socozinho e pernilongos, muitos pernilongos (a ave, não o inseto!).

Pernilongo (Himantopus mexicanus)

Marreca-toicinho (Anas bahamensis)

Um dos passeios mais interessantes para se fazer em Isabela é Los Túneles. É preciso contratar um tour, pois não existe acesso por terra e a presença de um guia é obrigatória. Um pequena embarcação nos levou até o lugar, que é perfeito para mergulhar com snorkel. Foi simplesmente fantástico nadar entre as formações de rocha vulcânica que formam túneis e pontes submersos, entre os quais encontramos raias, tubarões, tartarugas-marinhas, cavalos-marinhos e uma infinidade de peixes coloridos. Não é um passeio para birdwatching, mas aproveitei para curtir os atobás-de-pé-azul, fragatas e trinta-réis-escuros que vivem ali.

Trinta-réis-escuro (Anous stolidus)

Em nosso último dia em Isabela encaramos uma trilha de 9 km (ida e volta) pela praia e depois dentro da área de preservação do parque nacional de Galápagos, onde existem vários pontos de parada para observação e contemplação da natureza. A distância nem é tão grande, mas fazia muito calor e foi uma caminhada puxada. Muito gente prefere fazer de bicicleta.

Na longa extensão da praia encontramos bandos de batuíras e vários maçaricos, além de pelicanos e gaivotas-de-lava.

Batuíra-de-bando (Charadrius semipalmatus)

Maçarico-galego (Numenius phaeopus)

Depois da praia a trilha avança por entre o mangue e chega à uma floresta. Encontramos muitas tartarugas-gigantes pelo caminho e fizemos várias paradas em mirantes e pontos sinalizados ao longo da trilha, como a Playa del Amor (lotada de iguanas-marinhas), o Mirador Hortilla, o Túnel del Estero e a Laguna Humedales. A trilha termina no Muro de las Lágrimas, que são as ruínas de uma colônia penal que funcionou na ilha entre 1945 e 1959.

Tartaruga gigante de Galápagos

Tartaruga-gigantes-de-galápagos ao lado do Muro de las lágrimas

Ao longo da trilha, passando pela floresta, vimos muitos mockingbirds (a mesma espécie que ocorre na ilha Santa Cruz), mariquitas-amarelas e uma variedade de tentilhões.

Galapagos Mockingbird

Galapagos Mockingbird (Mimus parvulus)

Infelizmente a viagem começa a se aproximar do final. Próxima e última parada: ilha San Cristóbal!

 

Observação: para quem chegou agora e não está entendendo nada… dividi o relato da viagem à Galápagos em 4 posts: